Estrutura Operacional

A Ferrovia Tereza Cristina transporta as principais riquezas da região Sul. Pelos seus 164 quilômetros são levados grande parte do carvão mineral que abastece o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo; e produtos conteinerizados com destino à cabotagem e exportação pelo Porto de Imbituba.

Entre os planos da empresa para o futuro está a obtenção de novas cargas. A FTC possui capacitação técnica e recursos para a reforma e adaptação de locomotivas e vagões, podendo em pouco tempo atender a demanda de outros modelos de vagões para transportar cargas diversas, contribuindo para o desenvolvimento da logística catarinense.

Material de Tração - Locomotivas

Modelo Quantidade Potência nominal (HP)
GM-G12 3 1.310
GM-G12M 5 1.500
GM-GL8 1 875
GM-G22 1 1.500

Material de Transporte - Vagões

Tipo Quantidade
PLATAFORMAS CONVENCIONAL 26
GÓNDOLAS C/ FUNDO LOMBO DE CAMELO 355
FECHADOS COM ESCOTILHAS E TREMONHAS 56
HOPPER FECHADO CONVENCIONAL 10
Total 447

Estrutura de Manutenção - Oficinas

  • Oficina de manutenção e reparo de locomotivas, destinada à recuperação geral das mesmas. A FTC possui ainda estrutura física para a instalação de postos avançados de manutenção.
  • Oficina de manutenção e reparo de vagões, em condições de execução de qualquer tipo de serviços de reparo e manutenção.
  • Oficina de Máquinas e Equipamentos de Via Permanente, utilizada em parceria com empresas terceirizadas para a execução de serviços específicos de manutenção de equipamentos utilizados na conservação da linha férrea.
  • Dois postos avançados de Manutenção ao longo da linha.

Comunicação Operacional

A FTC é dotada de Sistema de Rádio UHF, com alcance em toda a malha ferroviária, permitindo a comunicação direta entre as unidades operacionais, entre elas e entre uma e outra;

  • Centro de Controle Operacional - CCO;
  • Locomotivas;
  • Autos de linhas;
  • Segurança de tráfego;
  • Oficinas;
  • Administração.

O sistema é dotado de equipamento para gravação, preservando a informação por várias semanas. Isto permite o levantamento de causas de ocorrências ferroviárias.