Avançam decisões sobre o futuro da Termelétrica Jorge Lacerda

19/03/2021


Os grupos de trabalho formados no Ministério das Minas e Energia para analisar o futuro da Usina Termelétrica Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo-SC, e propor encaminhamentos, realizou 29 encontros nos meses de janeiro e fevereiro, ouvindo todos os segmentos envolvidos na questão. A proposta inicial que está na mesa é levar a produção de energia pela Jorge Lacerda até 2035 e  não somente até 2027, como está proposto atualmente. Como a Engie, atual controladora da usina, não quer mais continuar suas atividades em geração térmica a carvão mineral, está em estudos a venda da usina para um grupo de investidores. “Mas o setor não está parado esperando por soluções”, garante o eng. Fernando Zancan, presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM).  Entre estas, estão a implantação de novas térmicas e ampliação da rede ferroviária da Ferrovia Tereza Cristina (FTC), e a pesquisa de novos produtos pelo Centro de Tecnologia do Carvão Mineral (CTCL), instalado na UniSatc em Criciúma-SC.

Produção atual

A Usina Termelétrica Jorge  Lacerda está com produção a pleno e consumindo 200 mil toneladas/mês de carvão mineral. Como está com baixos estoques, é provável um aumento na produção passando para 220 mil ton/mês. Está em curso uma parada já prevista, para manutenção, de uma unidade da usina, por três meses, que poderá, ou não, voltar às suas atividades, dependendo do despacho de energia de outras fontes. “É um quadro a ser analisado daqui a alguns meses”, completa  Zancan.

Fonte: Engeplus