Mulheres conquistam espaço com competência

06/03/2020


O dia 8 de março é reconhecido como o Dia Internacional da Mulher, mas não foi criado simplesmente para uma singela homenagem. Ele marca uma luta intensa pela independência, pelo respeito, pelos direitos e pela autonomia. Seja na vida pessoal ou profissional, o principal desafio é superar os obstáculos que surgem no dia a dia.

A participação das mulheres no mercado de trabalho apresenta uma nova estruturação da família brasileira. Um levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apontou que em 1995 apenas 25% das mulheres estavam à frente do comando financeiro dos domicílios brasileiros. Esse número saltou para 45% em 2018 devido ao forte crescimento da participação feminina no mercado de trabalho.

- PUBLICIDADE -

Ainda, segundo o Ipea, a estimativa é que até 2030 a participação feminina no mercado de trabalho brasileiro cresça mais do que a masculina. Mulheres têm investido mais em educação e qualificação: o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostrou que as mulheres brasileiras têm, em média, oito anos de estudo, enquanto os homens ficam nos 7,7 anos.

Na Ferrovia Tereza Cristina, responsável pelo transporte ferroviário de cargas no Sul de Santa Catarina, elas têm tudo para ocupar cada vez mais espaço no setor. Hoje, a Concessionária conta com 56 colaboradoras, que atuam em áreas administrativas e operacionais.

A técnica em enfermagem Natiele Gonçalves da Silva, responsável pelo setor de Saúde Ocupacional, compõe esse grupo de mulheres ferroviárias e já comemora oito anos de empresa. “Aqui me encontrei e me sinto à vontade para exercer o meu papel como profissional. Tenho abertura para lidar com as pessoas e me aproximar delas. A retribuição é o bem-estar e o carinho dos colaboradores. Hoje, eu conheço um pouco de cada um e tenho uma ligação muito forte com todos”, conta Natiele.

Para a profissional, por mais que as mulheres e homens sejam tratados de forma igualitária, cada pessoa tem uma forma única de ser. “Nos atendimentos, por exemplo, consigo perceber que as mulheres se sentem mais à vontade para desabafar, mas sei que cada um tem uma forma específica para demonstrar os sentimentos. Mas, são situações que não podem ser generalizadas. O mesmo ocorre no mercado de trabalho, cada um se destaca do seu jeito, seja pelo seu conhecimento, jeito de lidar com as situações e muito mais”, reforça a profissional.

A Natiele é uma mulher de um time de ferroviárias engajadas na profissão, que acordam todos os dias com a ideia de fazer mais e melhor. “Contamos com muitos exemplos de mulheres fortes e que buscam os seus direitos, mas que também sabem dos seus deveres. É por mulheres assim que me orgulho de estar no mercado de trabalho e acreditar que estamos só no começo”, disse a Gerente de Gestão de Pessoas, Eliane Maria Fernandes de Souza.

Fonte: Assessoria de Comunicação