Projeto de Ferrovia Litorânea apresenta boa viabilidade econômica

22/05/2003


O Consórcio ENEFER/STE, contratado pela Secretaria de Estado da Infraestrutura, concluiu o Estudo de Viabilidade do Sistema Ferroviário catarinense. Segundo os dados avaliados, a configuração ferroviária atual oferece muito pouco ao estado de Santa Catarina. A Ferrovia Tereza Cristina, por exemplo, já investiu quase R$ 20 milhões na estrutura da empresa, desde a concessão em 1997, mas continua sendo um segmento isolado, restringindo-se ao transporte de carvão na região sul catarinense. Entre as alternativas avaliadas pelo estudo para a empresa, destacam-se a ampliação da malha até o local da possível construção de uma Usina Termoelétrica (UTE), em Siderópolis, adaptando-se a FTC para o transporte de calcário e amônia, além de fertilizantes - subproduto da UTE. Além disso, o estudo verificou um possível aumento na demanda de produtos a serem transportados no Estado, entre eles: arroz, madeira, papel/celulose, fertilizantes, algodão, têxteis, insumos cerâmicos; soja, milho, trigo, clínquer, coque de petróleo, cinza de carvão mineral, fumo, carnes, maçã e metal-mecânico. Essas cargas, hoje, são transportadas em sua maioria por via rodoviária. O estudo do ENEFER/STE avalia como o transporte ferroviário poderia atuar nesses segmentos, indicando os prováveis corredores de transporte. A análise aponta para a criação de duas ligações básicas: a Ferrovia Litorânea e a Ferrovia Leste-Oeste. Na primeira, a ligação seria desde Araquari (SC) até Porto Alegre (RS). Neste caso, até 2030, a FTC poderia ampliar significativamente seu volume de cargas, atingindo 7,6 milhões de toneladas, no link Criciúma-Tubarão. No caso da Ferrovia Leste-Oeste, foram analisadas duas alternativas de ligação. A primeira, acompanharia a proposta do Plano Nacional de Viação (PNV), passando entre Herval d´Oeste e Chapecó. A segunda se desenvolveria mais ao centro, passando por Xanxerê traçado definido no projeto da Ferrovia de Integração. Segundo o estudo, o trecho com maior viabilidade econômica seria a Ferrovia Litorânea, em seu tramo Norte, entre Araquari e Imbituba, com aproveitamento da linha da FTC.

Fonte: Comunicação / FTC